O Longo Silêncio – by John Stott

cruz_mosteiro.jpg

No fim dos tempos, bilhões de pessoas estavam espalhadas numa grande planície perante o trono de Deus.

A maioria fugia da luz brilhante que se lhes apresentava pela frente. Mas alguns grupos falavam animadamente- não com vergonha abjeta, mas com beligerância.

“Pode Deus julgar-nos? Como pode Ele saber acerca do nosso sofrimento?” perguntou uma impertinente jovem de cabelos negros. Ela rasgou a manga da blusa e mostrou um número que lhe fora tatuado num acampamento de concentração nazista. “Nós suportamos terror… espancamentos…tortura…morte!”

Em outro grupo um rapaz negro abaixou o colarinho. “E que dizer disto?” exigiu ele mostrando uma horrível queimadura de corda. “Linchado…pelo único crime de ser preto!”

Em outra multidão, uma colegial grávida, de olhos mal criados.”Porque devo sofrer?” murmurou ela.”Não foi culpa minha.”

Por toda a planície havia centena de grupos como esses. Cada um deles tinha uma reclamação contra Deus por causa do mal e do sofrimento que ele havia permitido no seu mundo. Quão feliz era Deus por viver no céu onde tudo era doçura e luz, onde não havia choro nem medo, nem fome nem ódio. O que sabia Deus acerca de tudo que o homem fora forçado a suportar neste mundo? Pois Deus levava uma vida muito protegida diziam.

De modo que cada um desses grupos enviou seu líder, escolhido por tersido o que mais sofreu. Um judeu, um negro, uma pessoa de Hiroshima, um artrítico horrivelmente deformado, uma criança talidomídica. No centro da planície tomaram conselho uns com os outros. Finalmente estavam prontos pra apresentar o seu caso.

Antes que pudessem qualificar-se para ser juiz deles, Deus deve suportar o que suportaram. A decisão deles foi que Deus devia ser sentenciado a viver na terra – como homem!

“Que ele nasça judeu. Que haja dúvida acerca da legitimidade do seu nascimento. Dê-se-lhe um trabalho tão difícil que, ao tentar realizá-lo, até mesmo a sua família pensará que está louco. Que ele seja traído por seus amigos mais íntimos. Que ele enfrente acusações falsas, seja julgado por um júri preconceituoso, e condenado por um juiz covarde. Que ele seja torturado.

Finalmente, que ele conheça o terrível sentimento de se estar sozinho. Então que ele morra. Que ele morra de forma que não haja dúvida de que morreu. Que haja uma grande multidão de testemunhas que o comprove.”

E quando o último acabou de pronunciar a sentença, houve um longo silêncio. Ninguém proferiu palavras. Ninguém se moveu. Pois de súbito todos sabiam que Deus já havia cumprido a sua sentença.

About these ads

3 Respostas to “O Longo Silêncio – by John Stott”

  1. onde vc conseguiu esta mensagem.vc e cristão

  2. Com certeza Deusa jha fez tudu por nós…Ele e só Ele nos conheci, sabi dos nossos pensamentos antes msm d pensarmos, sabi o q vamos dizer antes msm d falarmos e sabi a nossas necessidades

  3. nuss que texto lindo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: